segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Se existe alguma coisa que me "esqueço" de contar às pessoas é que tenho uma fobia. Talvez por ter algum receio de expor algo deste género sobre mim. A agorafobia é uma espécie de ataque de pânico. É o medo de estar em espaços abertos ou no meio de uma multidão. É uma ansiedade, uma crise súbita. No meu caso específico, os principais sintomas são a aceleração cardíaca, a sensação de sufoco, os suores, as tonturas e a sensação de irrealidade. Em situações extremas, posso ficar com a visão turva e desmaiar. Já aconteceu; numa festa, num funeral. Já me senti mal numa discoteca, num bar, numa fila com muitas pessoas. Depois disso, decidi consultar a minha médica de família e completei um tratamento de seis meses. Agora, sempre que posso, tento evitar esses locais. Ah, e ando com o Victan® na mala, claro.

39 comentários :

  1. Esse gajo (victan) é uma máquina e ajuda-nos muito! Às vezes acontece que temos consciência para onde nos estamos a dirigir (espaços que te fazem isso acontecer) e só isso é meio caminho andado para se dar. Tenta não ter "medo" do que se aproxima, principalmente não pensar muito nisso. Embora saiba que não é nada fácil. Mas tudo passará. Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Deve ser horrível ter uma fobia deste género. Nem imagino o sofrimento que deves sentir. E creio que muita gente não compreenderá.

    ResponderEliminar
  3. Todas as fobias têm uma cura...a calma! Cuida-te e cuidado com o victan...isso vicia!!!


    boa noite Diana

    :)

    ResponderEliminar
  4. Diana, boa noite.
    Temos algo em comum. Depois de um acidente que tive, também tenho pânico a algumas coisas como estar no meio da multidão. Lugares fechados e quentes. Etc..Também uso o victan para os casos de ansiedade e nervosismo repentino. Para além de pertencermos as duas ao mesmo Distrito. :-)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Acho que esse problema tem tratamento, que não passa pela médica de família, mas por um especialista.

    ResponderEliminar
  6. Essa fobia, ou qualquer outra,atrapalham um tanto a vida.né? Acostumar? Achar o remédio? bjs. chica

    ResponderEliminar
  7. Que fobia mais terrível, nem me consigo imaginar numa situação dessas. Até para andar na rua em cidades deves ter problemas... :(
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  8. Deve ser um sufoco! Estar no meio de uma multidão e sentir pânico. Ainda bem que existe medicação.
    Kis :=}

    ResponderEliminar
  9. Boa noite Diana...:)
    Sabes todos uns mais que outros temos os nossos medos...as nossas fobias...
    Olha eu já tive mais..agora menos ...agulhas...as tais das picas...
    E deixa-me que te diga...que essa minha fobia é bem tramada...
    Obrigado pela TUA partilha...
    Beijos VORAZES

    ResponderEliminar
  10. a minha irmã também têm alguns panicos e toma isso
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Nunca tive nada do género, mas deve ser mesmo complicado :/

    ResponderEliminar
  12. Não considero que tenhoessa fobia, mas não gosto de sítios com muita gente, começo a hiperventilar :o acho que fizeste bem em consultar um profissional :)

    ResponderEliminar
  13. Em doses muito menor (nem necessito de medicação) também sofro do mesmo problema.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Que cena! Compreendo perfeitamente! E hoje em dia as pessoas parecem mais selvagens eu que estudo numa universidade no centro de Lisboa todos os dias estão rodeada por centenas de pessoas e é caótico ! Não sei o que é ter algo desse género mas não deve ser fácil, digo eu. Mas tudo tem solução ! Beijinhos
    With love, KATE ❤

    ResponderEliminar
  15. O Interior é mais solitário
    e uma descompressão ao subir a Serra
    e compressão ao descer
    dá outro tom ao dia a dia e alegria de viver...~_```


    Um xoxo de aqui dos Calhaus e um feliz dia
    desjo eu.

    ResponderEliminar
  16. Isso deve ser uma chatice....espero que consigas ultrapassar...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  17. Nunca tive nada semelhante, felizmente acho que não tenho nenhuma fobia!

    ResponderEliminar
  18. Acho que não tenho nenhuma fobia, mas sobre de ataques também.
    Também sinto o mesmo e ando com o meu SOS =)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  19. Já entrei em pânico em algumas viagens de avião e é horrível.
    Obrigada pela tua partilha e ainda bem que fizeste um tratamento. beijinho
    Coco and Jeans by Marisa x My Instagram x My Bloglovin

    ResponderEliminar
  20. Por acaso já tomei o victan mas já não tomo há alguns anos.
    Não tenho essa sensação ao estar perto de uma multidão mas não gosto nada. Se puder evitar, evito porque vai-se lá saber se posso sofrer algum ataque de panico no local.
    A parte boa de ter um blog é poder desabafar sobre tudo, inclusive sobre as nossas fobias. :)

    ResponderEliminar
  21. Tens de arranjar um mecanismo de defesa, evitar sempre que possível esses espaços, e saberes que tens sempre na mala um sos que te ajudará! =)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  22. Essa é uma fobia que causa imenso sofrimento.
    O pior é a incompreensão das pessoas.
    Embora não seja fácil, tenta não ter medo. O victan ajuda claro, mas já tentaste psicoterapia?
    Um beijinho, fica bem*

    ResponderEliminar
  23. Também tenho uma fobia mas penso que não é tão má como a tua, porque não me impede de estar em algum lado. Tenho fobia a lagartos. Ok, sei que parece parvo mas não consigo! Lembro-me quando era mais nova e nos livros de Ciências apareciam imagens de lagartixas ou lá o que era aquilo e eu nem conseguia olhar para aquilo, ficava com o coração a mil.
    Então quando vejo um cara a cara... morro mesmo! Só me apetece gritar, fugir! Não consigo estar no mesmo espaço quando vejo alguém, por exemplo, com um lagarto/iguana ao ombro. Juro que fico mesmo nervosa e cheia de tremeliques.

    E. ♥ Meet me for Breakfast

    ResponderEliminar
  24. Eu tenho medo de voar...e após ter tido uma PCR em 2010 comecei a ter medo de estar sózinho, e pontualmente tive crises de pânico em transportes públicos com muita gente.
    Neste momento, com aconselhamento e ajuda adequada, já ultrapassei em grande parte esses problemas, faltando só a questão do medo de voar que também vai sendo tratado, espero eu, porque brevemente quero ir à Polónia visitar o meu filho que vive e trabalha lá.
    Acho que vou conseguir :) :) pelo menos já tenho o bilhete e já comprei mala :))))))))))
    Tudo de bom.
    Continuação de boa semana.

    ResponderEliminar
  25. Desmaiei uma vez num bar no Cais do Sodré e fiquei jurando para nunca mais. Receio que tenha tido um ataque de pânico pois comecei a sentir-me super mal com todo o fumo e luzes e pessoas e encontrões.

    ResponderEliminar
  26. Complicado! Mas oxalá consigas sair dessa.

    Beijos

    ResponderEliminar
  27. Conheço uma pessoa assim tb. imagino o dificil que é. bj

    ResponderEliminar
  28. É algo muito teu, não tens de partilhar. :)

    ResponderEliminar
  29. Eu já sofri três ataques de pânico. Esporádicos com mais de 10 anos de intervalo e em situações totalmente diferentes, logo nem eu nem o médicos a quem recorri na altura conseguiram descortinar o que se passou. Espero nunca mais vir a sofrer outro. É horrível. Eu tinha a sensação de que ia morrer, tão mal me sentia. E nas três situações como que paralisei, não conseguia mexer-me.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  30. Desejo que consiga ultrapassar essa fobia o mais depressa possivel, não é nada agradavel os ataques de pânico.
    Beijinho, boa sorte.

    ResponderEliminar
  31. Também não me sinto confortável em espaços abertos. Em relação às multidões, se não estiverem a interagir comigo não há problema

    ResponderEliminar
  32. Estranho !... Nunca senti nada do género. Deve ser muito desagradável ! :(
    Victan, uso sim, mas 1/2 para dormir bem, se passo 2 noites sem o conseguir. :)

    Beijo

    ResponderEliminar
  33. Deve ser muito mau até porque não é uma fobia muito conhecida e muita gente não deve compreender...

    ResponderEliminar
  34. É complicado gerir essa sensação, em sítios que nos parecem super normais.
    Já conheci pessoas com este problema mas a verdade é que com acompanhamento, e com certas medicações conseguem controlar!

    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  35. Também tenho uma fobia... insectos!... E não encontro explicação para o facto... pois não me lembro de nenhuma experiência traumatizante que tivesse tido com eles... certamente veio de vidas passadas... só pode!...
    Ter consciência do problema e admiti-lo, é meio caminho andado, para o conseguir controlar minimamente... acho que nunca deves escondê-lo de quem possa estar contigo, num local que te provoque ansiedade... pois estará sempre mais preparado, para te compreender e apoiar em caso de pânico repentino... acho que fizeste muito bem em partilhar o problema... e não o deves esconder... pois não é vergonha nenhuma... além de que nunca se sabe quando o mesmo pode ocorrer... e assim, habituas-te a não ter problemas de o dizer em público, caso alguma situação surja que o desencadeie de repente...
    Beijinho
    Ana

    ResponderEliminar
  36. Há uns anos passei por isso.
    A sensação é terrível, com o coração a acelerar e dificuldade em respirar, suores... pânico que leva a pensar que vamos mesmo morrer ali.
    Eu já tive de fugir de uma sala de cinema; abandonar o carrinho das compras e correr para fora do supermercado; sair apressadamente de um museu; de um velório, etc., etc..
    São ataques súbitos de pânico, ansiedade, eu sei lá.
    O pior foi um dia sozinha no carro, num brutal engarrafamento a caminho de Lisboa, começar com falta de ar, suores e a pensar "vou morrer aqui sozinha, sem ajuda" (convém dizer que sou filha de cardíaco). Aproveitei a saída para Carnaxide e entrei desesperada no Hospital de Santa Cruz. Fui logo atendida, fiz exames e análises e mandaram-me esperar pelos resultados. Depois, com muita calma disseram-me «não tem qualquer problema cardíaco, é o seu sistema nervoso, quando voltar a acontecer não venha aqui vá ao Hospital de S.Francisco Xavier».
    Sai de lá satisfeita mas cabisbaixa e envergonhada por ter passado à frente de pessoas que esperavam a sua vez.
    A partir dai sempre que começavam os sintomas de mais uma crise, respirava fundo e "falava comigo" (por vezes aos gritos) - isto não é nada, calma, vai passar. E aos poucos foi passando. E eu foi aprendendo a lidar com o pânico, sem medicação. Passaram mais de dez anos e eu continuo a controlar a situação.
    Diana, nesses momentos encontra a calma dentro de ti. O poder da tua mente é o melhor medicamento.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  37. Quando comecei a ter crises de ansiedade, tive esses sintomas, com a medicação fui melhorando, mas nunca me dei bem com o Victan.
    Por vezes encontrar essa calma é um exercício terrível.

    ResponderEliminar
  38. Conheço essas crises muito bem. Felizmente consegui me "livrar" dos químicos. Alimentação saudável e exercício físico são uma mais valia para ajudar a atenuar as crises. Existem também uns exercícios de respiração a fazer quando elas estão a caminho. Temos de ser mais fortes do que elas.
    Beijinhos

    ResponderEliminar